[DIÁRIO DE LEITURA] O Continente Vol.1 #2


Voltamos no tempo para conhecer a origem das famílias até um assentamento religioso.

É interessante notar como os índios foram catequizados por meio da música, tal como no conto do flautista que levava as crianças hipnotizadas até o perigo.

Seja como for, a Igreja trouxe ordem, rotina e uma contagem de tempo diferente baseada nos rituais de batismo, casamento e extrema-unção.

matheus costa o tempo e o vento

Uma das índias teve um filho (acima) que o padre Alonzo batizou de Pedro (que no futuro se casará com Ana Terra). Este passou a segui-lo para todos os lados, se diferenciando dos outros índios, por sua religiosidade e musicalidade. Além disso, aparentemente tem capacidades mediúnicas, profetizando alguns acontecimentos, principalmente em referência a Sepé, um grande índio guerreiro.

Então, entramos num pequeno relato que conta como a história de Chico Cambará e José Borges se conectam. Será dessa união que nascerá o tal Capitão Rodrigo.

Depois, retornamos ao Sobrado, onde Alice, casada com Licurgo (ambos descendentes de Ana Terra, ao que entendi), dá a luz uma menina natimorta.

Agora começarei a parte da história que narra a vida de Ana Terra (abaixo).

cleo-pires

Veja a Parte I desse Diário

Anúncios

Um pensamento sobre “[DIÁRIO DE LEITURA] O Continente Vol.1 #2

  1. Pingback: [DIÁRIO DE LEITURA] O Continente Vol.1 #3 | Leituras de Taróloga

O que achou dessa leitura?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s