[DIÁRIO DE LEITURA] O Rei de Amarelo #6


Chegamos ao fim do livro. No Apêndice encontramos 2 contos e um poema de outros autores que não Chambers, mas que estão relacionados com ele: Um Habitante de Carcosa, A Máscara da Morte Rubra e Carcassonne.

a-mc3a1scara-da-morte-rubra

Os mais interessantes de citar são o conto de Poe, por ter esta imagem do rosto que é uma máscara e, abaixo dela nada existe e o poema, que dá a inspiração necessária à criação de Carcosa.

sem-tc3adtulo2

No caso da Morte Rubra, é curioso notar que a figura lembra o Rei de Amarelo. Outra semelhança encontrada (por mim, no caso) está no fato de haver um relógio que marca as badaladas de terror em um salão de festa cheio de gente, conforme vemos no livro d´O Iluminado.

2 (1)

Por fim, o poema se refere à cidade medieval (e murada) de Carcassonne na França, de onde se construiu sua fantástica versão: Carcosa.

De Vladimm

Visão de Carcosa por Vladimm

Veja as outras partes desse diário:

Parte I – O Reparador de Reputações

Parte II – A Máscara Pálida

Parte III – No Átrio do Dragão e o Símbolo Amarelo

Parte IV – A Demoiselle d´Ys e O Paraíso do Profeta

Parte V – A Rua dos Quatro Ventos, A Rua da Primeira Bomba, A Rua de Nossa Senhora dos Campos e a Rue Barrée

Anúncios

O que achou dessa leitura?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s